Google Finance: iniciando a utilização dessa ferramenta

Google Finance
Google Finance: vale ou não a pena?

Por várias vezes eu citei o Google Finance no blog (aqui, por exemplo). É uma ferramenta que descobri há uns meses atrás, quando comecei a estudar mais sobre economia e finanças.

É uma ferramenta bacana. Mas ainda não tive tempo de usá-la e espremer até a última gota de todo o seu potencial.

Vou dar uma breve introduzida nela aqui nesse post. Aperte os cintos.

Google Finance, ou Google Financeiro em pt_BR, é, segundo a Wikipedia:

Um serviço que apresenta a informações sobre empresas incluindo suas últimas decisões e também suas ações com um código em JavaScript que permite a visualização das ações no momento. Foi lançado em 21 de Março de 2006 e atualmente está em versão beta.

Ou seja, é uma mão na roda para acompanharmos os gráficos das ações na bolsa. O ruim (talvez para poucos de nós) é que está em Inglês.

Página inicial do Google Finance

Google Finance
Google Finance: Início

Aqui na página inicial, como de praxe nos serviços Google, temos um painel de controle onde podemos visualizar a maioria das funções.

1 – Menu principal

Aqui no menu principal temos os links para as outras páginas da ferramenta, obviamente. Irei explicar cada uma delas aqui no post. Simples e minimalista, como todos os serviços Google. Como eu disse acima, está tudo em inglês, mas isso não costuma ser um grande problema.

2 – Favoritos

Aqui na barra lateral esquerda você pode definir suas letras “favoritas”. Salvando ali do lado fica mais fácil para você encontrar sua variação no dia, por exemplo. As que coloquei aí são algumas amostras para você entender como funciona. Tem tanto de ações de empresas (como Petrobras – PETR4) como Fundos de Investimentos Imobiliários (MXRF11, por exemplo).

3 – Top Stories

Em Top Stories você vê as notícias sobre mercado financeiro mais relevantes para aquele momento. Para quem opera na bolsa, principalmente em outros países, é muito interessante.

4 – Create a Portfolio

Aqui é um atalho para você criar um portfólio. Um portfólio é uma categorização para suas letras/títulos. Como se fosse uma pasta do seu computador. No portfólio você coloca as ações categorizadas da maneira como se enquadrar melhor para você. Por exemplo: “Empresas Brasileiras”, “Empresas Americanas”, “Fundos de Investimento”…

Essa função é uma mão na roda. Facilita a categorização.

5 – Portfolios

Aqui são listados seus portfólios já criados. Como padrão, o Google nomeia como “my portfolio”, mas você pode mudar para o nome que preferir.

6 – World Markets

Em World Markets tem uma síntese de como anda as principais bolsas no mundo.

Rolando a página para baixo ainda tem alguns gráficos da indústria e informações sobre as moedas do mundo. É bem completo.

Notícias do mercado

Google Finance
Notícias do mercado do Google Finance

O próprio nome já diz, não tem o que detalhar muito. As notícias do mercado financeiro movem as altas ou baixas das bolsas, fato. O nível de acompanhamento depende de cada investidor e de seu tempo para investir nos estudos.

Eu acho muito importante acompanhar as notícias, principalmente as relacionadas a empresas em que o investidor deseja ter (ou já tem) ações.

Os portfólios

Google Finance
Google Finance: detalhes do portfólio

Como eu disse acima, os portfólios são uma forma de categorizar suas ações/empresas da forma que lhe convier.

No número 1, temos a lista de todos os seus portfólios. No exemplo acima só temos um, chamado de “My Portfolio”. O número 2 da ilustração indica o nome do portfólio que está sendo visualizado. Para criar um novo portfólio, clique no botão indicado pelo número 3.

O que mais achei interessante são as notícias relacionadas ao seu portfólio (Número 4 da imagem). O Google automaticamente seleciona as novidades referentes as letras/ações que você tem salvo. Muito interessante.

As letras de a a f na imagem indicam os campos de dados relacionados às letras do portfólio. Podemos notar a existência do código, preço de abertura, maior e menor preço, etc. Bem útil também.

Google Finance
Google Finance: gerenciando seu portfólio

Para editar os dados do portfólio é simples. Use os botões e caixas de seleção indicados na imagem (números 1 e 2). Para adicionar novos códigos (empresas), use a caixa de diálogo no número 3.

No item número 4 é possível você criar um portfólio automaticamente dos seus favoritos da barra lateral. Google sendo Google.

O Stock Screener (q?)

Google Finance
Google Finance Stock Screener

Rá! Tive que googlar isso. Vivendo e aprendendo né? Segundo a Investopedia, Stock Screener é “uma ferramenta que os investidores e traders usam para filtrar ações baseados em métricas pré-estabelecidas pelo usuário.

Em suma, é um resumão das ações que cumprirem determinadas categorizações estabelecidas por você. Você define o yield e filtra, por exemplo.

Ainda não usei a fundo essa funcionalidade, visto que sou um investidor-aprendiz, mas pelo visto é bem bacana.

Conclusão

Amigo, o Google Finance é uma ferramenta e tanto. Tem muitas funcionalidades e, acima de tudo, possui o padrão Google de qualidade.

Mas…

acredito que, para você que esteja iniciando, não seja indispensável. É uma ferramenta a mais, para te ajudar a olhar mais detalhes de uma empresa ou outra, além de notícias bem filtradas, mas não passa disso.

Ainda não tive tempo de esmiuçar todos os detalhes da ferramenta, mas, a princípio, me pareceu totalmente dispensável, visto que quando eu quero procurar detalhes de um Fundo ou Ação, eu jogo direto na caixa de pesquisa padrão do Google e ele já me retorna as principais informações. Veja o exemplo:

Google Finance
Google Finance: dispensável para beginners.

Na imagem acima, ao simples digitar de PETR4, ele já me retornou muita coisa interessante sobre a empresa (vide gráfico).

Enfim, é bom, é um recurso a mais, mas obviamente não é a principal ferramenta que você vai utilizar.

Como já falei várias vezes, quem define tudo é você: o quanto quer aportar, onde irá aportar, em qual frequência e por quanto tempo. Tudo está na sua cachola. Todas as tecnologias que existem servem apenas de suporte e como “facilitador“.

Espero que tenham gostado do review.

Um abraço do MP.

Comentários sobre “Os axiomas de Zurique”

Olá amigos,

 

no post de hoje irei falar um pouco sobre o livro “Os axiomas de Zurique”.

Dizem que esse livro é bibliografia básica nos cursos de Economia. E realmente é bacana.

Um dos principais livros para se introduzir no assunto.

O livro é dividido em doze Grandes Axiomas e conta também com alguns Axiomas Menores. Não vou dividir o post em Axiomas, pois não quero dar spoiler (rs), mas vou comentar o que achei mais interessante e anotei para recordar sempre.

Dos Riscos

É preciso arriscar, apostar, assumir os riscos e saber administrá-los. O mercado financeiro é um ambiente caótico e quem busca serenidade e estabilidade não se dá muito bem. Arriscar faz bem! Arrisque sempre dinheiro que você não precisará.

Da Segurança

Deve-se sair da zona de conforto. Para ganhar dinheiro é preciso se aventurar no mundo das finanças. Não pode buscar a segurança financeira sempre.

Do Equilibrista

Diversifique, mas não muito.

Muita gente diz que não é bom “colocar todas os ovos na mesma cesta”. O livro fala o contrário. Você deve sim diversificar, mas não muito. Poucos títulos lhe dão um maior controle. O livro faz uma analogia com o equilibrista.

Da Ganância

Não tente tirar o máximo de uma ação. Quando notar que ela já chegou ao pico, venda. Controle sua ganância. Quando ganhar o suficiente, venda a ação.

Do Barco

Quando o barco começar a afundar, abandone-o. Venda a ação se o preço cair entre 10 a 15% do pico enquanto com você. Alguns conceitos interessantes que aprendi nesse tópico são:

  • Stop Loss: quando você programa o home broker para vender a ação quando ela atingir determinado preço. Usado para evitar uma perda maior.
  • Stop Gain: quando você programa o home broker para vender a ação quando atingir determinado preço. Usado para evitar perdas.
  • Start: quando você programa o home broker para comprar uma ação quando ela atingir determinado preço.

Das Previsões

Não acredite em previsões, o mundo do mercado financeiro é caótico. É praticamente impossível prever a alta das ações.

Da Fórmula

A fórmula secreta para se ganhar dinheiro na bolsa não existe, padrões não existem.

Do Jogador

Não caia na “Falácia do Jogador”. Frases como “hoje é meu dia de sorte” são apenas motivacionais e de esperança. Isso não existe.

Das Raízes

Não fixe raízes. Não se apegue às ações que você tem. Se ela começar a cair, venda.

Dos Palpites

Palpites só são aceitáveis quando possam ser minimamente explicados. Os palpites sem nenhum fundamento devem ser descartados. Só acredite no palpite quando ele possa ser racionalmente explicado.

Do Sobrenatural

Hoje eu sonhei que ganharia

Não misturar dinheiro com o sobrenatural. Tarô, horóscopo, etc só servem para iludir e enganar. Raramente a pessoa dá sorte e a “previsão” bate com a realidade. Mas na maioria da vezes isso não acontece.

Do Otimismo

O profissional não tem otimismo, tem confiança (que foi construída com pessimismo). Confiança é sempre querer o melhor, mas saber lidar com o pior.

Otimismo demais cega.

Do Consenso

Não acredite cegamente nos outros. Pense com sua própria cabeça, tome suas próprias conclusões. A maioria nem sempre está certa.

Da Teimosia

Se você perdeu dinheiro com uma ação, não insista nela novamente para tentar “recuperar” o dinheiro perdido.

Do Planejamento

O futuro não está sob controle. Não invista a longuíssimo prazo acreditando ser a solução dos seus futuros problemas financeiros. A moeda pode mudar, o mercado pode quebrar. Várias coisas podem acontecer. Não confie no futuro.

 

Conclusão

Pessoal, essas anotações aí são o que consegui extrair do livro, que irá me ajudar nos meus estudos e nos investimentos.

Não quis colocar detalhes demais justamente para motivar vocês a lerem.

O próximo livro que pretendo resenhar aqui é o Rápido e Devagar, as duas formas de pensar.

Até a próxima!