Vale a pena estocar produtos? Leia e descubra.


Olá amigos,

 

hoje irei escrever sobre um assunto interessante que ouvi em um dos podcasts do Gustavo Cerbasi.  Nele é explicado que ao estocar produtos você está deixando de aplicar o dinheiro em outros lugares.

Vamos lá?

 

Quem é Gustavo Cerbasi?

Gustavo Cerbasi é um economista, investidor e escritor. Seus livros fazem um relativo sucesso na área de economia e finanças. Ele pode ser considerado um guru nessa área aqui no Brasil. Suas dicas são realmente interessantes.

Ele tem um podcast chamado Drops de Inteligência Financeira (Google it) e foi em um deles que eu me inspirei para o post de hoje.

Ele fala uma coisa que nunca tinha parado para pensar: quando você compra, por exemplo, cinco sacos de feijão, você vai ter que estocar esses feijões em algum lugar por algum tempo, e ao mesmo tempo o dinheiro gasto nesses feijões estão “parados” na sua despensa/armário. Sacaram?

Introdução

Sempre fui um simpatizante ao fato de estocar produtos. Sempre achei melhor ir ao supermercado menos vezes para comprar mais, do que muitas vezes para comprar pouco. Por que? Os adeptos da vida minimalista e simples sempre tem o foco em tornarem todas as coisas mais fáceis e mais práticas.

Quando se vai uma vez por semana somente ao mercado, a probabilidade de você ter gastos supérfluos nessa única ida é menor do que se você ir várias vezes. Sem contar o gasto com combustível e principalmente, tempo. Depois quero escrever sobre Gerenciamento de Tempo, mas note que o tempo gasto para ir ao supermercado duas vezes a mais poderia estar melhor investido em aulas de inglês, em cultura ou descanso.

Como disse, sempre fui adepto a comprar muitas coisas e estocá-las, para postergar a volta ao mercado. Cerbasi pensa diferente. E vou passar a seguir seus conselhos.

Inflação

Você deve saber que a inflação é a taxa que os preços dos produtos aumentam no decorrer do tempo. Em épocas de crises no Brasil  (entre 1980 e 1990 – leia mais aqui, vale a pena), alguns preços chegavam a dobrar de valor de um dia para o outro. Se hoje você comprava um litro de leite por R$1, amanhã chegaria a R$2. E por aí vai.

Nessa crise econômica, a estocagem de produtos fazia sentido, pois você não sabia o preço do amanhã.

Para algumas famílias, isso se tornou cultural, e natural. Porém, atualmente a inflação está estável (média de 10% a.a.) e não faz mais sentido guardar dezenas de embalagens nas prateleiras de casa.

Estocar dinheiro ou estocar produtos?
A antiga despensa do MP

A estocagem

Aqueles produtos parados na despensa são equivalentes a seu dinheiro parado na despensa.

É claro que você não vai passar a ir no mercado/posto diariamente. Você deve encontrar uma forma que se adapte à sua casa e sua família. Nosso objetivo aqui é:

a. Estocar menos produtos por menor tempo
b. Ir mais vezes ao mercado/posto/padaria/etc (você entendeu, né?)
c. Não precisar de uma despensa/depósito/armário grande
d. Aproveitar o capital de giro de outra maneira

 

Estocar dinheiro

O dinheiro corretamente “estocado” é sinônimo de rendimentos. Sinônimo de aumento de patrimônio. Em vez de fazer uma grande compra no supermercado e jogar tudo na despensa, compre o que realmente é necessário para aquele determinado período de tempo e aplique uma parte da grana, da forma mais conveniente pra você.

 

Aliens não, grana!
O que sobra na minha carteira depois dessa dica

A exceção

Uma exceção (ou uma das exceções) à regra da estocagem é quando compensa comprar a mais (promoções). Nesse caso, vale a pena guardar os produtos, principalmente se forem não perecíveis (papel higiênico é um ótimo exemplo). Nesse caso a estocagem ajuda na manutenção do seu patrimônio, pois você estará economizando dinheiro ao comprar mais.

Nos casos dos perecíveis, verifique se a comprinha a mais não acarretará em desperdício (nosso arqui-inimigo!).

Conclusão

Para mim, essa dica foi muito boa. Passei a ir uma vez a mais ao mercado, comprar menos, gastar menos e ainda sobrou um baita espaço nos armários.

Só temos que ficar atentos, quando se tem menos produtos guardados, a chance de faltá-los de uma hora para outra é maior. Ou seja, o controle é fundamental.

E você? Compra muita coisa de uma vez ou poucas coisas várias vezes? Tem uma despensa cheia em casa ou só o necessário? Comente aí!

Até a próxima!

CompartilharTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

2 Comentários

  • Cowboy Investidor (#)
    24 de janeiro de 2017

    Olá MP,
    Excelente post. Eu não concordo muito nesse caso de ir várias vezes ao supermercado. Frutas, verduras que perdem rápido eu concordo. Para a pessoa seguir essa dica do Gustavo Cerbasi vai fazer ela até gastar mais. Acredito até para uma pessoa controlada.

    Abraços,

    • Editor Poupador (#)
      24 de janeiro de 2017

      Interessante, CI!
      De qualquer maneira, a pessoa tem que ter muito equilíbrio na hora de comprar, né?

      Abraço