Spotify ou por que eu não pirateio música

Desde que a internet surgiu, vários foram os modos de copiar cultura com direitos autorais. Começou com as músicas, depois vieram os filmes. O pessoal dava um jeito de fazer o download sem pagar, seja por meio de P2P (Kazaa, Limewire, Morpheus… lembram?) ou por download direto. Enfim, internet é sinônimo de cópia não autorizada. E foi assim por muitos e muitos anos. Tamanho foi o impacto, que o lucro das produtoras, gravadoras e artistas caiu bastante. Era fácil, com apenas alguns cliques você ouvia qualquer faixa de qualquer álbum que quisesse. Ô vida boa! Tudo grátis! Aqui no Brasil essa pirataria desvairada era ainda mais potencializada, pois os preços de CDs originais eram impraticáveis (nesse ponto é bom fazer uma menção honrosa aos CDs piratas de camelô, que pode-se dizer que nasceu junto – ou antes – da onda de downloads ilegais).

Anos depois, surgiu o YouTube, onde os clipes coexistiam com as músicas. Era uma bagunça, qualquer um fazia o upload da música da forma que quisesse, sem limites. E quem se ferrava mais uma vez eram os artistas e a indústria da música. Com o tempo o YouTube foi impondo regras e tudo se normalizou: agora somente quem é autorizado (na maioria dos casos é a própria gravadora) pode upar os clipes/músicas. Acredito que não tenha freado de vez a pirataria online, mas pelo menos o site fez sua parte. Ainda assim, muita gente ainda faz o download da música direto do YouTube. Ou seja: a pirataria sempre vai existir, não importa os impedimentos que surjam. Quem quer fazer coisa errada, consegue fazer coisa errada.

Eis que, com o aumento da banda da internet, vários serviços que eram in loco foram aos poucos migrando para a nuvem. Um desses serviços foi a música (hoje muito chamado de streaming). Com a tecnologia atual, não é necessário mais fazer o download. Agora você pode ouvir diretamente do servidor, embora muitos dos aplicativos permitam fazer o download para você escutar suas músicas offline. Foi uma mudança significativa na indústria musical. Atualmente, qualquer artista pode publicar seus trabalhos na internet para qualquer pessoa escutar, facilitou bastante.

Spotify!
Spotify it!

Nessa onda surgiram os aplicativos de música via streamig, que é o caso do Apple Music, Deezer e Spotify (entre dezenas de outros). Eu fiz essa introdução acima para falar um pouco sobre esse último. Há muito e muito tempo que eu já não baixava música ilegalmente (não entrarei nos detalhes morais, legais e éticos) e esse aplicativo me veio a calhar. Posso ouvir praticamente qualquer faixa de qualquer álbum, no meu celular, a quase todo momento!

Um pouco sobre o Spotify

Comecei a usá-lo logo quando foi lançado, apenas para testar. Foi uma mão na roda, pois eu podia escutar praticamente qualquer música, de forma gratuita, sem precisar fazer o download e, o melhor de tudo, legalmente. O app, para quem usa a versão grátis, apresenta algumas propagandas entre as faixas, nada que atrapalhe.
Após um tempo optei pela versão paga: R$ 18,00 por mês para eu escutar livremente e ainda poder fazer o download para ouvir quando estivesse offline. Assinei o pacote premium e estou até hoje. Atualmente, estou o pacote família, que custa R$24,00 mensais. Esse pacote permite que seis pessoas utilizem as vantagens do plano pago. Eu dividi com seis familiares e ficou mais barato ainda para mim: R$4,00!

Aonde eu quero chegar

Pessoal, o que quero dizer com tudo isso é: mesquinhez tem limite. Ser Poupador fazendo download ilegal de música, por exemplo, não é uma das melhores atitudes, concordam? Se você gosta de música, opte pelo honesto e legal: compre o CD do artista (dessa forma você valoriza seu trabalho) ou assine algum aplicativo de streamig. Seu bolso talvez fique vazio, mas sua consciência estará limpa. E outra, R$4,00 por mês não é caro. Poupe de outras maneiras!

Ouvir música via Spotify

Pacote FREE: R$0,00 por mês
Permite você ouvir qualquer música, mas não pode fazer o download. Além disso, tem “propagandas” entre as faixas. Caso você não se incomode com isso, vá de Free!

Pacote Premium: R$24,00 por mês para até seis contas (R$4,00 por conta)
Permite você fazer o download de quantas músicas quiser (respeitando a memória interna do seu dispositivo, óbvio). Sem propagandas.

Por que eu gasto dinheiro com isso?

Já disse. Eu prefiro investir um pouquinho na minha cultura/lazer e ter a consciência limpa ao não piratear. Além disso, baixar música ilegamente dá mais trabalho que usar os apps!
Eu não sou o paladino da justiça, moral e bons costumes. Longe disso! Só quer expor para vocês essa opção de gastar pouco e ouvir muita música de forma lícita.

Espero que tenham gostado do artigo. Instalem aí o Spotify, ou o Deezer, e testem. Talvez vocês gostem!

Um abraço!

CompartilharTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Um pouco mais sobre FII: MXRF11

Olá, amigo. Hoje escreverei sobre algo mais específico. Vou tentar tecer comentários sobre o Fundo de Investimento Imobiliário MXRF11 – Maxi Renda FII, o primeiro FII que comprei.

Vou detalhar como ele opera, sua rentabilidade, o quanto recebi até aqui, e mais.

Fundos de Investimentos Imobiliários
Fundos de Investimentos Imobiliários é o que há

Aqui eu já comentei sobre minha escolhe nos FII, dê uma lida se ainda não viu.

O fundo

O MXRF11 é um fundo tipo Papel (lastreado em outros fundos ou em outros títulos, diferente do fundo tipo tijolo, que tem lastro em construções reais e “físicas” – me corrijam se estiver errado). Ele destina seus recursos à aplicação em CRI (Certificados de Recebíveis Imobiliários), LCI (Letras de Crédito Imobiliário), LH (Letras Hipotecárias) e outros FIIs.

O público-alvo do título são os investidores em geral. Visto que o fundo aplica seus recursos em outros fundos e em outros títulos, creio eu que apesar de a rentabilidade variar um pouco, o risco é menor que um fundo tipo tijolo, por exemplo, em consequência da sua variação de aplicações – dividir os ovos em várias cestas diferentes.

 

Informações gerais

O fundo é gerido pela XP Gestão de Recursos (XP Investimentos) e administrado pelo Citibank. A cota começou a ser negociada a R$100,00 e hoje (05/04/17) está a R$95,71.

Fundo de investimento imobiliário
Valor da cota MXRF11 hoje.

Taxas

O fundo cobra uma Taxa de Administração de 0,47% a.a. e Taxa de Performance de 0,30% a.a.

Não acho muito acima da média esses valores, já vi FIIs cobrarem 3% de taxas ao ano. Quando a Taxa de Administração fica até 0,50% a.a. tá valendo.

Rendimento

Comecei comprando o fundo em janeiro. Desde então eles vem distribuindo R$0,80 por cota, o que me rende aproximadamente 0,87% ao mês. Não é nenhuma maravilha, mas já bate a poupança. Isso sem contar os aluguéis recebidos, que podem ser usados na recompra de cotas.

Fontes

CompartilharTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

As palavras mágicas que todo bom poupador deve praticar

Olá fiel leitor, hoje vou comentar um pouco sobre algumas palavras mágicas que todo bom poupador deve conhecer e praticar sempre que possível. Não é “abra kadabra” nem outra similar. São palavras comuns do nosso dicionário “pt_BR” e que você ouve diariamente. Elas são mágicas pois seus significados tem uma carga muito importante. Quem as pratica ao pé da letra diariamente com certeza tem uma vida (financeira ou não) melhor. Ao final do texto você concordará comigo quando digo que são mágicas.

Não há um número exato de palavras mágicas. Mas eu vou escrever sa três principais e algumas derivadas dessas três. O restante das palavras é meramente uma combinação das outras. O bom poupador e investidor deve praticá-las dia após dia. Dessa maneira o patrimônio se manterá firme e crescerá naturalmente. De fato é impossível manter as três palavras em evidência em 100% do tempo. O que importa é você tentar, sempre que possível, colocá-las em prática.

Pelo menos uma das três palavras iniciais são citadas por mim em praticamente todo post meu, com certeza você já leu por aqui.

Palavras mágicas
Palavras mágicas: te ajudarão na sua trilha à IF.

Outra coisa importante: as três palavras tem um peso de importância equivalente.

Palavra #1 – Foco

O foco é impotante para o bom poupador por que o bom poupador mantém sua mira firme em um alvo somente, por um longo período de tempo. O bom poupador deve ter uma meta, um objetivo específico, e colocá-lo no radar enquanto acumula seu patrimônio. A meta pode ser: viajar, comprar um carro ou simplesmente acumular dinheiro para obter uma renda passiva durante a vida.

Manter o foco é não se distrair com outras situações da vida. É não desistir do caminho trilhado até aqui e ter certeza que o objetivo será alcançado. Mesmo que você poupe pouco, ou tenha mês que não consiga poupar, mantenha o foco na sua Independência Financeira e continue trabalhando duro. O resultado virá, mais cedo ou mais tarde. Não desista.

Manter o foco todo do tempo sim, é complicado. O que deve ser feito é distrair-se com pequenos prazeres ao longo da vida, sem tirar da cabeça o objetivo maior. Diminua o aporte do mês para sair para jantar com a família. Estenda mais seu planejamento de acúmulo de patrimônio, e em troca viaje com a(o) companheira(o). Faça pequenos escambos entre seus bens para conseguir manter a concentração em um objetivo maior a longo prazo.

Palavra #2 – Equilíbrio

Ah, essa palavra é muito boa também, viu. Ter equilíbrio complementa o foco. Como eu disse acima, o equilíbrio faz parte do seu jogo de cintura para não perder sua mira do alvo. Fazer cessões com você mesmo te ajuda na batalha rumo à IF. Conforme já citei nesse post e em outros também: gastar dinheiro te ajuda a ganhar dinheiro. Não disse com essas palabras, mas pensem comigo:

. Viajar: gasta dinheiro. Mas te revigra de tal forma que você volta com muita energia para tentar ganhar mais dinheiro.
. Ir ao cinema: mesmo raciocínio: você descansa a cabeça para ter mais uma longa semana de trabalho.

E existem milhares de exemplos.

Negocie com você mesmo. Poupe sempre, mesmo que o mínimo, mas não deixe de viver. Utilize o equilíbrio e saiba dosar a hora certa de poupar e a hora certa de gastar. Sempre tenha uma reserva de emergência, sem contar seus investimentos principais, e viva a vida de forma correta, honesta, equilibrada. Todo exagero é perigoso, por isso o equilíbrio é importante. Nas finanças e na vida.

O equilíbrio aliado ao foco te dá longevidade: pense nisso. Sem exageros, sem ser sovina demais nem gastador demais.

Palavra #3 – Paciência

Talvez a paciência seja a virtude mais difícil de ser trabahada. Com o mundo atual, a ansiedade e a busca por resultados instantâneos é regra em todas as situações. Não há mais paciência. O bom poupador deve ser paciente. Isso é requisito obrigatório, concordam? Tenha paciência e acredite na força dos juros compostos. Dessa forma seu patrimônio crescerá gradativamente.

Como eu disse acima, as três palavras mágicas são equivalentes e não existem uma sem a outra. Paciência + foco = certeza de objetivos alcançados. Paciência + equilíbrio = a estabilidade para continuar seguindo em frente.

Por outro lado, ter paciência é diferente de ter passividade. Se uma ação sua começar a cair, por exemplo, você deve saber o momento certo (usando o equilíbrio) para vendê-la. Esperar demais nesse caso é um erro. Saiba dosar sua paciência com seu equilíbrio.

O bom investidor aguarda anos e anos para que suas ações se valorizem. Veja o caso do ilustríssimo sr. Barsi. Está na melhor idade e há pouco tempo que conseguiu o primeiro bilhão (pasmem os senhores). Quer melhor exemlo que esse ícone da Independência Financeira?

É difícil controlar a ansiedade. Mas só pelo simples fato de tentarmos já é um avanço.

Palavra derivada – Perseverança (apenas um exemplo)

Eu entendo que a perseverança seja uma combinação das três palavras. Tudo depende da dosagem que se põe em cada.
Vamos tentar explicar em números. A perseverança poderia ser uma junção de 40% de foco + 40% de paciência + 20% de equilíbrio? Eu penso dessa maneira.

Viram que as outras virtudes do bom poupador é uma junção de duas ou três das outras palavras mágicas? É combiná-las e seguir em frente.

Com certeza existem dezenas de combinações. O que quero deixar claro que nada foge das três principais: foco + equilíbrio + paciência.

Conclusão

O bom poupador deve seguir um método, uma forma de trabalhar seu dinheiro. Utilizando-se das três palavras principais e, dependendo da situação, as palavras derivadas, o caminho ficará mais fácil de ser trilhado e o objetivo mais fácil de ser alcançado.

A Independência Financeira é algo difícil de ser alcançado.

Espero que tenham gostado dessa postagem.

Um abraço!

CompartilharTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Mudei minha planilha da Independência Financeira: clique e conheça a nova

Adoro esses títulos sensacionalistas hahaha. Então galera, mudei minha estratégia e refiz minha planilha que controlo a Independência Financeira. Tinha dito aqui que havia pensado nisso.

Desde quando eu comecei a me aprofundar nos estudos de finanças e investimentos (há cerca de uns 8 meses, por aí, talvez um pouco mais que isso) eu uso a famosa e popularíssima “Planilha do AdP”.

A Planilha do AdP é uma planilha feita pelo nosso ilustre Além da Poupança. Essa planilha é completa, intuitiva e semi-automática: é maravilhosa! E é/foi útil para mim por todo esse tempo. Acompanhei meu caminho rumo à IF por ela, sempre preenchendo conforme as instruções.

Utilizar a planilha do AdP é muito simples. Lembro que na época fiz até um email passo a passo para mostrar para o meu irmão. Ficou mais ou menos assim:

Ler os artigos nessa sequência:
1 – http://alemdapoupanca.blogspot.com.br/2012/04/calculando-de-forma-errada-seus.html
2 – http://alemdapoupanca.blogspot.com.br/2012/04/calculando-de-forma-correta-seus.html
3 – http://alemdapoupanca.blogspot.com.br/2012/04/calculando-de-forma-correta-seus_28.html
4 – http://alemdapoupanca.blogspot.com.br/2012/04/planilha-de-acompanhamento-de.html

Me lembro, inclusive, que transformei a planilha dele em planilha do Google Docs.

O fato é que a divisão por cotas muitas vezes me deixava confuso. Eu via os números em vermelho e estranhava. Será que algo estava errado? Será que lancei da forma correta?

Como sou leigo,tinha essas dúvidas martelando na minha cabeça, o que fazia com que eu refizesse todas as contas novamente para ver se o cálculo batia.

Não estou criticando, tampouco duvidando da planilha do AdP. Pelo contrário. Estou é duvidando é da minha capacidade de fazer as coisas certas hahaha. Como eu disse acima, a planilha ele é ótima.

Enfim, como sou da área de TI e gosto de trabalhar/aprender Excel, decidi criar a minha planilha do zero. Muito mais simples, muito mais resumida e com informações que seria úteis para mim.

Por exemplo, apesar de o raciocínio ser correto, não quis dividir meus investimentos em cotas. Fiz da forma mais simples e leiga possível, para que eu tenha segurança nos cálculos e, posteriormente, poder ir incrementando a planilha com procedimentos mais complexos.

Ela se assemelha bastante com a do AdP. Só que, como eu disse, tem menos campos.

Planilha IF
Consolidado: soma de todas as aplicações (valores fictícios)

A aba Consolidado soma tudo das outras abas automaticamente e te informa sua situação atual.

O que eu fiz é criar os campos Rendimento e Aumento. Vamos explicá-los.

Campo rendimento

No rendimento, calculo o retorno que o investimento teve desconsiderando (diminuindo) os aportes. Assim posso ter ideia, por exemplo, se o FII está rendendo bem ou não.

Exemplo:

Carteira em abril: R$1000
Aporte: R$100
Carteira em maio: R$1110
Rendimento: (Carteira em Maio – Carteira em Abril – Aporte) / Carteira em Abril = 0,01 (1%)
Na conta acima usei a fórmula que aprendi com o AdP: (Situação Nova – Situação Antiga) / Situação Antiga

Apesar de eu ter aumento o patrimônio em R$110, R$100 são do aporte e somente R$10 são do rendimento. Para mim é importante saber isso: o quanto rendeu independentemente do aporte.

Nota: posso estar fazendo a conta errada, se puderem  me ajudar aí nos comentários, agradeço!

Campo Aumento

No campo Aumento, óbvio: quanto meu patrimônio aumentou de um mês para o outro considerando o aporte e os rendimentos.

No exemplo acima, meu patrimônio aumentou de R$1000 para R$1110, ou seja: 11%.

As abas Poupança, TD e FII são idênticas, exceto pelo valores a serem preenchidos, lógico.

Planilha IF
Aba Poupança (valores fictícios)

Obviamente a poupança não rende 9,66% nunca. Os valores são fictícios para eu repassar para vocês. O que é interessante de se notar é que, quando não se tem aportes no mês, o campo Rendimento é igual ao campo Aumento.

Ao final do ano, em dezembro, é só lançar o campo inflação que a planilha te informa seu rendimento real aproximado (cópia do AdP também).

Planilha IF
Aba Fundos Imobiliários (valores fictícios)

É necessário fazer uma observação na aba dos FII. Eu criei outras abas, uma para cada FII, para que eu tenha um controle rigoroso sobre eles. Porém, caso você não queira seguir essa dica, faça uma aba com o consolidado, como essa acima, somando todos e lançando aí.

Planilha IF
Aba Tesouro Direto (valores fictícios)

 

Quando lançar as informações?

Talvez não tenha ficado claro a metodologia que utilizo.

Todo mês, de preferência entre o dia 1º e 3, por aí, eu acesso o site do CEI BOVESPA para ver meus títulos aplicados. Esses valores que me servem de parâmetro para lançar na planilha, entenderam?

Alguns preferem utilizar os valores que estão na corretora. Apesar de os valores serem iguais na maioria das vezes, pode haver alterações de um para outro se levarmos em consideração as taxas da corretora, por exemplo. Acesso o BOVESPA por que lá tem um valor cru, líquido. Posso estar enganado, claro. Mas acho que assim fica bom para meus cálculos.

Acesse o canal do CEI BOVESPA por aqui cei.bmfbovespa.com.br.

Ah, para retiradas, é só lançar valores negativos no campo Aporte.

Conclusão

Amigos, não quero desmerecer a planilha do nosso amigo AdP, nem tentar copiá-lo de alguma forma ou diminuir seu trabalho, longe disso!

O que eu fiz nesse post foi apresentar uma alternativa (a minha alternativa) para a planilha do nosso amigo. Eu fiz algumas edições e adaptações que facilitariam as coisas para mim. E quis expor para os leitores.

Como sabem, eu ainda estou aprendendo e quanto mais eu fuço no Excel e nos cálculos, melhor. Por isso optei por iniciar do zero um controle financeiro, sacam?

Caso queiram que eu disponibilize para download, é só pedir. Na verdade, ela está no Google Docs, então é só eu compartilhar com vocês. Mas vou esperar para ver se há demanda para isso, ok?

Um abraço para vocês, espero que tenham curtido o post!

 

Mp.

 

CompartilharTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Controle Financeiro com Excel para iniciantes

Esse post é um publieditorial.

Aqui no meu trabalho, tenho um colega que, apesar de ser contador, me abordou um dia e disse “Oi, MP, bão? Seguinte, cara… sei que você é da área de TI e vou te dar uma sugestão: se você fizesse um aplicativo de controle financeiro você ia ficar rico!”.

O desenvolvimento de aplicativos móveis não é objeto desse texto, e sim uma coisinha só: até um contador (que, regra geral, tem muita afinidade com os números) tem dificuldades e às vezes quebra a cabeça para organizar suas finanças pessoais.

Já citei aqui no blog sobre o aplicativo GuiaBolso que, apesar de ser muito útil para mim, em algumas funcionalidades deixa a desejar.

Então, voltando ao meu colega. Ele é contador, trabalha com planilhas e números o dia inteiro e ainda assim tem uma resistência, uma dificuldade quando vai por no papel (ou no computador) suas finanças pessoais.

“A minha planilha é muito complexa”, disse.

Muitas pessoas apelam para o bom e velho Excel. Essa ferramenta da Microsoft é poderosíssima (é sério, você não tem noção do tamanho do poder do Excel. Acho que nem o Bill Gates sabe!). Enfim, o Excel pode te ajudar em dezenas de milhares de tarefas, inclusive seu controle financeiro doméstico.

Eu usei o Excel por muitos e muitos anos (lembro até hoje, o nome da minha planilha se chamava “Orc”, de “Orçamento”, mas toda vez que eu a via eu lembrada dos “Orcs” do Warcraft II).

Não é esse orc não, MP. É o orc do Controle Financeiro.

No Excel, você pode dividir os meses em planilhas diferentes, lançar tudo na mão e consolidar os dados em uma página inicial que te dá uma overview de tudo. É excepcional.

Para você que gosta de ter um controle maior sobre os números, não tem ferramenta melhor.

Além disso, no próprio Excel você pode criar suas planilhas de Independência Financeira. Eu uso a planilha do AdP para monitorar o andamento do meu patrimônio (é uma baita planilha, diga-se de passagem).

Um pouco sobre minhas planilhas

Estudos 2017

Salvo aqui os tópicos sobre tecnologia da informação (linguagens de programação) que quero aprender durante o ano. Tem também detalhes sobre os programas de pós-graduação que desejo tentar entrar. O Excel me ajuda a organizar as ideias.

Além disso tem uma lista de línguas que desejo desenvolver. Atualmente tenho Inglês e Espanhol. Esse ano fecho a primeira.

Home

Planilha principal. Aqui controlo todas as receitas e despesas e tudo o mais relacionado à minha casa. Tenho gráficos, porcentagens e zilhões de cálculos. Muito bom!

Divido as despesas e receitas em categorias e unifico tudo na dashboard principal. Tenho controle sobre quase tudo!

Para você que quer economizar, investir e aumentar o patrimônio, é obrigatório ter uma planilha dessas.

IF

É a planilha do AdP com algumas customizações próprias. Acesso praticamente uma vez ao mês, para lançar os aportes e descobrir quanto cada investimento rendeu.

Obviamente, IF significa Independência Financeira.

Nota para posteridade: não que a planilha do AdP seja ruim; ela é ótima, mas preciso desenvolver minha própria planilha de IF do zero, e passar aqui para vocês. Além de eu ficar mais seguro quanto as informações nela dispostas, já dá um belo de um post, não acham?

Web

Nessa planilha eu controlo os meus trabalhos extras de TI, inclusive nessa Pasta de Trabalho eu tenho uma planilha de controle financeiro somente dos meus trabalhos extras. Uma maravilha. É um orçamento dentro de uma grande planilha que tá dentro da pasta planilhas. É praticamente um inception de fórmulas hahaha.

Não vou detalhar todas as minhas planilhas, só estou tentando te mostrar o poder da ferramenta Excel. Tem gente que gosta de agrupar todas as informações em uma só, tem gente que prefere dividir.

Cada caso e um caso, você que adapta a ferramenta à sua necessidade.

Aprendendo Excel

Muita gente vê o Excel e pensa “Nossa, que tanto de números, fórmulas e células. Eu sou leigo, não sei nem desligar meu computador em segurança, imagina ‘pogramar’ nessa équiscéu, tá é doido, vou voltar para minha ‘Beth, a feia’, por que no episódio de hoje ela vai no salaum de beleza HU3HU3HU3”.

Gente, não é assim. o Excel é uma ferramenta como todas as outras. Exige um pouco do usuário no início, mas depois que você pega o espírito da coisa, daí é igual a zoeira, sem limites.

Eu nunca mexi muito no Excel. Porém, durante a faculdade teve um mini-curso presencial o qual participei, e adorei. Aprendi muitos macetes interessantíssimos. Gostei tanto que depois fiz um novo curso, dessa vez online, sobre Controle Financeiro (consegui um cupom de 100%, ou seja, ia aprender a poupar poupando).

O jabá

Apenas para registro, o curso que fiz é esse aqui e está com 100% de desconto. Utilize o cupom FORUM.

Controle Financeiro
Aprenda a poupar com o professor do Mestre Poupador. Controle Financeiro na sua casa já!

Não é uma pegadinha e não tem partes pagas. O curso inteiro está com 100% de desconto. Entre no site e veja, ele tem 5 estrelas. O pessoal gosta bastante. Recomendo.

Nesse curso você vai aprender a fazer seu Plano de Contas Gerencial, desenvolvendo sua capacidade de gerenciar seu capital.

Vou colar aqui algumas coisas que o curso propõe a ensinar:

  • Conceitos relativos a controle financeiro como receitas, despesas e fluxo de caixa.
  • Entender porque o ciclo PDCA (emprestado da Administração) é seu amigo.
  • Trabalhar com a planilha de Plano de Contas Gerenciais
  • Fazer lançamentos de entrada e saída e editar lançamentos na planilha
  • Construir a planilha espelho que conterá os resumos dos lançamentos mensais
  • Algumas dicas legais de uso do excel em geral (Sabe usar o F12 né?)
  • Montar a planilha anual com as contas a pagar e receber de cada mês.
  • Entender os 7 “baby steps” de Dave Ramsey para o controle financeiro
  • Como fazer simulações de investimentos e aproveitar o tempo a seu favor (esse item o MP gostou bastante)

 

Amigos, o blog ajuda você a economizar, então estou fazendo isso duplamente: primeiro, estou te recomendando um curso que vai te ensinar a controlar suas finanças e, consequentemente, economizar. Segundo, o curso é grátis!

Aproveite e vá aprender Excel!

Esse post é um publieditorial.

CompartilharTweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone